Notícias

Soja: Prêmios terão forte valorização no BR com suspensão de compras da China nos EUA

Navio carregado com soja para exportação no Porto de Santos (SP) - 16:9O mercado mundial de soja começou junho com a notícia de que a China suspendeu, por parte de suas estatais, as compras de soja e carne suína dos Estados Unidos e a medida trará, inevitavemente, um espaço ainda maior para a já demandada oleaginosa brasileira. O mês de junho, que começa nesta segunda-feira (1), deverá reservar, portanto, intensa volatilidade.

"A tendência disso é que o Brasil continue com um fortalecimento dos prêmios da soja tanto no mercado FOB quanto pelo interior do Brasil diante de um enxugamento das ofertas no país", explica o analista de mercado Marcos Araújo, da Agrinvest Commodities, em entrevista ao Notícias Agrícolas.

No entanto, Araújo explica que o Brasil já não tem soja suficiente para atender a toda a necessidade de demanda até o final deste ano. As exportações podendo chegar as 80 milhões de toneladas este ano, já é esperado que haja um racionamento da demanda interna. "Ou seja, devemos sim ter uma redução do esmagamento interno, ao contrário do que ainda acredita a Abiove de um aumento do processamento de soja este ano", diz o analista.

Soja: Prêmios terão forte valorização no BR com suspensão de compras da China nos EUA from Notícias Agrícolas on Vimeo.

Parte das compras chinesas até poderia ser feita na Argentina, porém, por problemas logísticos, políticos internos e cambial tiram sua competitividade e não mudam muito as perspectivas do aumento de demanda esperado pela nação asiática no mercado brasileiro, o que deverá ser refletido diretamente nos prêmios.

"Vários traders, diante dessas informações, estão revendo suas posições custo e frete, e a quanto será negociado o basis na China. Nós esperávemos um basis de pelo menos 92 centavos acima de Chicago para agosto, contra uma média de 112, mas já era realidade na sexta-feira, com compradores do basis da soja FOB agosto a 120 acima de Chicago. E a tendência natural é de que esses prêmios, deverão continuar a subir, e o descolamento do mercado do Brasil, diante dessas tensões", explica Araújo.

O avanço destes prêmios, porém, não será suficiente para compensar a intensa desvalorização do dólar frente ao real que, segundo o analista da Agrinvest, já impactam em cerca de R$ 10,00 por saca a menos se comparado aos melhores momentos do ano. "Tivemos um terço do ganho de competitividade em dólares em função da desvalorização do real", afirma.

FONTE: Notícias Agrícolas(Carla Mendes | Instagram @jornalistadasoja)