Notícias

Agronegócio e indústrias do setor ajudarão a recuperar economia

agroeconomia unnamedSegundo Felipe Schmitz, franqueado da Turbo Transportes e Logística, estas áreas estão entre as que menos sentiram os efeitos da pandemia  -  A economia de modo geral tem sofrido impactos com a pandemia de Covid-19. Alguns setores mais, outros menos. O agronegócio, as indústrias e empresas de logística ligadas a ele, como as do metal mecânico por exemplo, estão entre os que menos estão sendo impactados neste momento. Felipe Schmitz, franqueado da Turbo Transportes e Logística, relata que em março, quando as medidas de distanciamento social começaram a ser adotadas para impedir a disseminação da Covid-19, estas empresas perceberam um reflexo significativo, pois esse fator se alinhou com a estiagem em nossa região e a falta de recursos em linhas de crédito para o agronegócio, porém agora a situação está mais estável.

“Isso se deu porque algumas indústrias também optaram por suspender as atividades temporariamente, mas assim que voltaram ao trabalho, este mercado se aqueceu novamente. Além disso, com a alta do dólar e o bom preço da soja, este segmento está despontando bastante neste momento”, avalia ele.

Neste contexto, as empresas de logística ligadas ao agro e a indústria não sentiram um impacto da pandemia de forma acentuada. A Turbo Transportes e Logística, por exemplo, que atende o meio industrial, especialmente do metal mecânico, conseguiu contornar as dificuldades e não chegou a utilizar as possibilidades de negociação com colaboradores oferecidas pelo Governo Federal, como suspenção de contratos ou acertos quanto a redução de jornada e de salários.

“Nosso setor está um pouco diferente. Quem está sentindo mais são aquelas empresas de logística e transporte que atuam com o varejo, o comércio”, citou.

Para os próximos meses e o ano que vem a expectativa é boa. Nem a estiagem registrada na safra de verão mais recente causou muitos impactos.

“Como a indústria do agro atua em nível nacional e trabalha bastante com exportação, está percebendo menos o reflexo da estiagem. Apesar do impacto inicial, acredito que nossa região já está se recuperando”, concluiu.
FONTE: Diário da Manhã(Mara Steffens)